Cefaléias

CEFALÉIA - DOR DE CABEÇA


Ter dor de cabeça é comum, porém longe de ser normal, acarretando em nossa sociedade altos impactos econômicos e sociais. Existem muitas causas e tipos de cefaleias, dentre elas destacamos:


Cefaleia tensional

É a mais frequente entre a população geral, descrita pelos pacientes como uma sensação de aperto, pressão ou peso envolvendo a cabeça como uma faixa. Outra característica é sua localização bilateral, sendo predominante na região occipital, a parte de trás da cabeça, mas também as regiões frontal e apical. A intensidade varia, porém comumente não impede as atividades rotineiras diárias. Não raro essa dor melhora com atividade física ou relaxamento. Normalmente não há sintomas associados como náusea e vômito acompanhando essa dor.


Cefaleia em Salvas

Não é tão comum quanto a tensional, acomete mais o sexo masculino, razão em torno de 3:1. É caracterizada por dor intensa, unilateral, geralmente em torno do olho, durando de 15 a 180 minutos, se não tratada, pode ser acompanhada de vermelhidão na região ocular, lacrimejamento, congestão nasal e queda da pálpebra do mesmo lado da dor. O paciente refere sensação de inquietude ou agitação durante a crise. As crises têm uma frequência de uma a cada dois dias a oito por dia, outra característica é o ritmo com que ocorre e por ser frequentemente noturna, acordando o paciente no meio da noite.


Enxaqueca

Também conhecida como migrânea, é uma dor de cabeça muito mais comum do que se imagina, afetando cerca de 20% das mulheres e 5-10% dos homens, uma crise típica de enxaqueca é a que envolve metade da cabeça, pulsante, piora com qualquer atividade física e está frequentemente associada à náusea, vômitos e intolerância a exposição à luz e sons, podendo durar de 4 a 72h, as vezes pode vir acompanhada de um fenômeno neurológico conhecido pelo nome de aura (flashes de luz, falhas no campo visual ou imagens brilhantes em ziguezague).


São vários os estímulos capazes de determinar o surgimento de uma crise de enxaqueca. Dentre eles:

  • estresse;
  • sono prolongado;
  • jejum;
  • traumas cranianos;
  • ingestão de certos alimentos como chocolate, laranja, comidas gordurosas e lácteas;
  • privação da cafeína, nos indivíduos que consomem grandes quantidades de café durante a semana e não repetem a ingestão durante o fim de semana;
  • uso de medicamentos vasodilatadores;
  • exposição a ruídos altos, odores fortes ou temperaturas elevadas;
  • mudanças súbitas da pressão atmosférica, como as experimentadas nos vôos em grandes altitudes;
  • alterações climáticas;
  • exercícios intensos;
  • queda dos níveis hormonais que ocorre antes da menstruação;

A identificação de possíveis fatores desencadeantes das crises é fundamental para obter um melhor controle da doença.


Cefaleias Cervicogênicas

Esta dor de cabeça, diferente das anteriores, é uma cefaleia secundária a um componente cervical predominante, tem como a principal causa alguma alteração cervical (do pescoço, nuca). Esta alteração pode ser alguma doença da cervical como uma hérnia de disco, osteoartrose cervical, estenose de canal cervical, pinçamento de raízes cervicais, assim como contraturas, torcicolos, problemas posturais que podem acarretar em dor cervical, dor de cabeça.


Neuralgias do Trigêmeo

Considerada uma das piores dores, é uma nevralgia do crânio causada por anormalidades na transmissão sensitiva do nervo trigêmeo. Esta é lancinante, muito intensa (em choque) e segue a distribuição sensitiva do nervo.


CENTRAL DE ATENDIMENTO: (27) 3025-1818 / (27) 3025-2818

AGENDE UMA CONSULTA